Outubro Rosa – Mais uma história de mulheres reais que ainda estão na batalha contra a doença

Outubro Rosa – Mais uma história de mulheres reais que ainda estão na batalha contra a doença

Fui diagnosticada com o câncer de mama em fevereiro de 2021.

Quando isso aconteceu, minha mãe estava a caminho da segunda sessão de quimioterapia, ela havia sido diagnosticada em outubro de 2020, 18 anos depois do primeiro tratamento para o câncer nas mamas.

Devido a casos existente na família, o mastologista havia indicado através de minha mãe, que eu deveria começar a fazer mamografia e ultrassom de mama antes dos 40 anos, que é a idade recomendada para o início do acompanhamento.

Aos 32 anos, após o nascimento do meu filho, iniciei os acompanhamentos recomendados, mas tinha muito medo de encontrar alguma coisa e por isso não costumava realizar o autoexame.

Pouco tempo depois de minha mãe ser diagnosticada, durante o banho, senti algo em meu seio esquerdo. Inicialmente pensei que seria algo relacionado ao período menstrual, pois vinha tendo dores há uns 3 meses, porém, sem nenhuma alteração nas mamas.

Através da médica que acompanhava minha mãe, consegui uma consulta de emergência para fazer ultrassom e recebi a notícia de que havia grandes chances de ser um nódulo maligno, mas precisava fazer a biópsia para ter certeza e iniciar o tratamento. Nesse momento o chão se abriu sob meus pés.

Eu não podia acreditar que eu e minha mães estávamos com câncer nas mamas, ao mesmo tempo e pior ainda, em meio a uma pandemia.

Foram dias de muitas lágrimas e questionamentos, mas permiti que Deus trabalhasse em meu coração e enxerguei o quanto minha mãe tem sido forte e corajosa por tudo o que estava passando. Minha admiração por ela só aumentou.

Estamos passando juntas por um longo processo, quimioterapia, cirurgia, radioterapia e acompanhamento psicológico.

Assisto minha mãe passando pelas etapas do tratamento antes de mim e por vezes via ela quietinha, mas não imaginava o barulho que estava dentro dela e ela simplesmente não queria nos preocupar, e a mim de uma forma especial.

Apesar de todo o sofrimento, esse desafio é transformador, desde que você escolha aprender com ele. Não é fácil encarar e seguir essa escolha, mas posso dizer absolutamente que vale a pena!

O câncer não é uma sentença, acredite no seu processo, cuide de você, da sua saúde e da sua mente.

 

 

 

 

 

 

 

 

UniFil

UniFil

Deixe um comentário