Empreender é pensar em algo novo que tenha escalabilidade; saiba porque a graduação se torna uma grande aliada ao empreendedorismo 

Se você, em algum momento da sua vida, já disse a seguinte frase “Quero ser empreendedor”, chegou ao lugar certo. Empreender é uma tarefa um tanto difícil que requer atenção, cuidados e muita dedicação. Entretanto, querer empreender não é um caminho que exclui outras oportunidades, que isso fique bem claro.

No dia a dia de muitas pessoas, principalmente aquelas que estão entrando em um curso de graduação, mas que também sonham com o empreendedorismo, um dos principais questionamentos é: estudar ou empreender, o que escolher? 

Para grande parte da população, as duas opções não caminham juntas, mas esse é um pensamento errôneo. A graduação pode ser a sua grande aliada na hora de empreender. E é isso que iremos te provar neste texto.

Continue a leitura e confira!

O que é ser empreendedor?

O empreendedorismo é algo que está ao alcance de qualquer pessoa. Não está restrito àquela figura de empresa milionária, que envolve grandes negócios.

É claro que existem essas situações, mas, basicamente, o empreendedor é aquela pessoa que pensa e cria algo novo, que vê, em um mercado pouco explorado, grandes oportunidades de escalabilidade. 

No entanto, para empreender não é necessário ter uma ideia tão diferenciada e bombástica. Muitas vezes, os grandes negócios estão na rotina, nas coisas simples que ainda não foram notadas.

Um mercado promissor

Para muitos brasileiros, empreender é um grande desejo. De acordo com a pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM), de 2018, desenvolvida pelo Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade (IBPQ) e pelo Sebrae, ter o próprio negócio é o 4º sonho da população do país

Ainda, em 2018, o relatório executivo de Empreendedorismo no Brasil apontou que o mercado total do ramo no país foi de 38%, quer dizer, foram dois empreendedores para cada cinco brasileiros.

A partir desse dado foi possível estimar que aproximadamente 52 milhões de pessoas no Brasil, com idade entre 18 e 64 anos, estavam à frente de alguma atividade empreendedora. 

Importante! Vale destacar que existem dois modelos de empreendedorismo no país, o de oportunidade, que é aquele desenvolvido a partir de uma demanda presente na sociedade e o por necessidade, que apresenta alto índice e está relacionado à falta de oportunidades no mercado formal.

Número de empresas no Brasil em 2020

De acordo com o DataSebrae, com dados atualizados da Receita Federal do Brasil (RFB), existem 19.229.440 empresas no país.

Destas, 5.890.888 estão localizadas no estado de São Paulo, 8.631.587 são de serviços e 9.795.498 são MEI, Microempreendedor Individual. 

As principais atividades econômicas dessas empresas estão relacionadas a: 

  1. artigos de vestuário e acessórios;
  2. cabeleireiros, manicures e pedicures;
  3. mercadorias em geral, com predominância em produtos alimentícios;
  4. obras de alvenaria;
  5. lanchonetes, casas de chá, sucos e similares.

O crescimento das Startups que você precisa conhecer

Quando falamos em empreendedorismo, é possível lembrar de um termo que tem sido muito relacionado a esse ramo: Startups.

Configuradas como empresas jovens e emergentes, que visam desenvolver um modelo de negócio escalável, as startups têm apresentado grande crescimento no país e atraído a atenção de muitos, principalmente jovens.

Segundo a StartupBase, uma rede de dados do ecossistema brasileiro de startups, existem 12.935 empresas que seguem esse modelo, presentes em 614 cidades do país, principalmente nas regiões Sul e Sudeste.

É fundamental ressaltar que, nesse cenário, ainda existem as startups conhecidas como unicórnios, aquelas avaliadas em US$ 1 bilhão de dólares ou mais.

O Brasil, de acordo com os dados americanos da Crunchbase, foi o terceiro maior criador de unicórnios em 2019, totalizando cinco startups bilionárias e empatando com a Alemanha. Os Estados Unidos continuam na liderança, seguido pela China.

Emprego fixo ou empreender?

Por mais que o empreendedorismo apresenta boas oportunidades de negócio no Brasil, muitas pessoas ainda veem na prática certa instabilidade, o que as fazem questionar. 

É importante ressaltar que, apesar do emprego fixo trazer certa segurança, salário definido e plano de carreira, por exemplo, o empreendedorismo é uma oportunidade de se conhecer. Você pode trabalhar com aquilo que realmente gosta, de maneira livre e criando os seus próprios procedimentos e equipe.

Na hora da escolha entre as duas opções, o ideal é pôr na balança. Qual é a sua situação atual, quais são os seus desejos do momento e, claro, o que mais te faria feliz? É preciso sentir prazer e satisfação na profissão que escolhemos.

A graduação como ponto de apoio ao empreendedorismo

Principalmente com os momentos de crise e a necessidade de uma “graninha” extra, o empreendedorismo universitário tem se destacado e se fortalecido em instituições de ensino. 

Além disso, como já falamos acima, para empreender não é preciso pensar em algo mirabolante. Uma boa ideia pode estar no cotidiano, no hobbie, nas boas habilidades que possui e pronto.

É assim que vemos estudantes iniciando pequenos negócios bem sucedidos que passam a dar bons resultados em diversas áreas.

O fato é que para ser um empreendedor de sucesso, você necessita mais que do que uma boa ideia e talento. O desenvolvimento efetivo do negócio é direcionado, principalmente, pelo estudo. É ele que te abre portas para novas percepções. 

E, por mais que possa parecer loucura levar as duas coisas juntas, mesmo sendo muito positivo para a renovação constante do negócio, existem atitudes simples que, quando colocadas em prática, permitem um desenvolvimento saudável em ambos os lados, como:

  1. administrar bem o tempo;
  2. aprender nas duas áreas e aplicar;
  3. entender que os benefícios vêm a longo prazo;
  4. ter em mente que o estudo sempre é necessário.

A partir do momento que você compreende que é importante juntar o estudo e o empreendedorismo, não precisa fazer nenhuma escolha. Passa a caminhar alinhando as duas práticas para abrir um negócio e fazer dar certo. 

Qual graduação preciso fazer para empreender?

Aqui, o essencial é que você possua conhecimento na área que pretende investir, como culinária, marketing, desenvolvimento de sistemas, entre outras.

Além disso, há cursos para montar seu próprio negócio que podem te ajudar (e muito) nessa jornada, como:

  1. Administração de Empresas;
  2. Comércio Exterior;
  3. Ciências Contábeis;
  4. Ciências da Computação;
  5. Comunicação e Marketing. 

A UniFil conta com diversos cursos de graduação nessas áreas que serão essenciais para você abrir o seu negócio por conta própria. 

Dica extra! Atenção aos cuidados para ser empreendedor!

Lembre-se de que para abrir o próprio negócio é essencial ter cuidados para evitar imprevistos.

Analise bem se o seu perfil é de empreendedor, entenda perfeitamente o mercado em que está se inserindo e faça um bom planejamento para ter tudo documentado e seguir o caminho certo.

Infelizmente, cada vez mais pessoas esquecem dessas etapas e se perdem no meio da jornada.

Gostou do conteúdo? Ele te ajudou a entender melhor o empreendedorismo? Está decidido de que quer ser empreendedor? Deixe a sua opinião nos comentários! 

Não se esqueça de assinar a nossa Newsletter para receber em primeira mão todos os nossos conteúdos. Assine agora!