Com a pandemia, a busca por profissionais da saúde cresceu absurdamente. Continue a leitura para entender melhor a situação e quais são as tendências para o futuro

A pandemia do novo Coronavírus mudou muita coisa na vida de todo o mundo. O que era permitido antes, passou a se tornar proibido ou restritivo, como o abraço, os encontros com familiares e amigos, e passeios. Além disso, hábitos e cuidados se tornaram mais necessários e entraram nessa nova rotina, como o uso de máscaras e a constante higienização.

Mas se para nós os impactos já foram tão grandes, imagine para quem está na linha de frente? Médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, psicólogos, enfim, todos os profissionais da área da saúde se viram totalmente impactados e diante de uma grande missão, afinal, precisamos deles neste momento tão delicado.

É por isso que a demanda por profissionais da saúde no mercado aumentou e continua a aumentar. Siga com a leitura para entender melhor!

Alta demanda por profissionais da saúde

Segundo pesquisa da Luandre, empresa especializada em recrutamento e seleção, divulgada pela Você S/A da Editora Abril, a busca por profissionais da saúde, nos quatro primeiros meses de 2020 cresceu 165% quando comparado com o mesmo período do ano passado. Além disso, entre fevereiro e março, as vagas na área da saúde tiveram um salto de 677%

Diante da situação, em abril deste ano, o Ministério da Educação (MEC) flexibilizou a atuação desses profissionais, como enfermeiros, farmacêuticos, fisioterapeutas e médicos, simplificando o processo de formatura antecipada durante a pandemia. 

Com isso, alunos do curso de medicina poderão se formar com 75% do internato concluído e os alunos de Enfermagem, Farmácia e Fisioterapia quando concluírem os mesmos 75% do estágio obrigatório. O trabalho é exclusivo para o combate do Coronavírus e serve para reforçar a quantidade de profissionais no mercado durante a pandemia. Segundo a divulgação do MEC: “A medida tem caráter excepcional e valerá enquanto durar a situação de emergência na saúde pública.”.

Essa alta busca e flexibilização do MEC proporcionará a esses profissionais recém-formados mais experiência, principalmente por causa do cenário, o que contribuirá para a atuação, agilidade e confiança no trabalho. No entanto, a situação oferece riscos.

Com o avanço da pandemia, muitos profissionais foram afastados por contraírem o vírus, o que fez a demanda continuar a crescer. Para se ter uma noção, segundo dados do Ministério da Saúde divulgados pela Agência Brasil em agosto, 257 mil profissionais da saúde foram infectados

Como será no futuro?

A demanda por esses profissionais não acabará tão cedo. A tendência é que a busca permaneça no pós-pandemia. Isso acontecerá porque os reflexos dessa situação na sociedade ainda existirão e, por isso, os profissionais da saúde continuarão sendo fundamentais.

Devido ao isolamento social e a perda de muitos familiares e amigos com a pandemia, doenças como depressão e ansiedade se intensificaram e continuam crescendo, o que exigirá ainda mais a atuação de profissionais especializados em doenças psicológicas.

Além disso, a área de Biomedicina deve permanecer em alta mesmo depois da pandemia, seja para continuar a contribuição no diagnóstico e pesquisas, seja para o desenvolvimento de tecnologias fundamentais para os pacientes.

E não para por aí, médicos, enfermeiros, fisioterapeutas e todos os profissionais da saúde continuarão tendo papel indispensável, como sempre tiveram nas nossas vidas. 

Enfermagem e Biomedicina UniFil

Os cursos de Enfermagem e Biomedicina da UniFil Londrina possuem um projeto pedagógico estruturado e laboratórios específicos, totalmente equipados, o que facilita a aprendizagem e traz a realidade da profissão.

Que tal conhecer mais os dois cursos, participar do processo seletivo e começar já a sua graduação?

Gostou deste conteúdo? Não se esqueça de compartilhar nas redes sociais!